“A Saga de um Pensador”

Publicado por: Milu  :  Categoria: "A Saga de um Pensador", PARA PENSAR

Changchun World Sculpture Park, rodin's thinker

“Acredite em si próprio e chegará um dia em que os outros não terão outra escolha senão acreditar com você.”

Cynthia Kerse

Apontamentos recolhidos no maravilhoso livro, que todos deveriam ler, intitulado “A saga de um Pensador” da autoria de Augusto Cury.

Sinopse:

Neste seu primeiro romance, o psiquiatra Augusto Cury narra a trajectória de Marco Polo – não o navegador e aventureiro veneziano do século XIII, mas um jovem que embarca na grande aventura que é a vida. Marco Polo é um estudante de Medicina, um espírito livre cheio de sonhos e expectativas. Ao entrar para a faculdade, é confrontado com uma dura realidade: a da insensibilidade e frieza dos seus professores, que não percebem que cada paciente é, mais do que um conjunto de sintomas, um ser humano com uma história complexa e única de perdas e desilusões. Indignado, o jovem desafia profissionais de renome internacional para provar que os pacientes com perturbações psíquicas precisam de mais que remédios e diálogo – precisam de ser tratados como pessoas, como iguais. Numa luta constante contra a discriminação, Marco Polo vai provocando uma verdadeira revolução de mentalidades..

Apontamentos:

(…)“contaram com o modelo superficial e doentio decalcado das relações empresariais, em que chefes e funcionários não se podem aproximar, em que a hierarquia tem de ser mantida para o bem da ordem e do progresso. Tal modelo servia para disciplinar um exército, mas não para formar pensadores, pessoas livres e criativas.

“A espontaneidade, uma característica da personalidade fundamental para a saúde psíquica, escasseava nas sociedades modernas.”

“Epicuro disse que se quisermos vencer, devemos gravar no nosso espírito o alvo que temos na nossa mente.”

“Einstein disse que há uma força maior que a energia atómica: a vontade.

“Confúcio comentou: Para vencer na vida exija muito de si e pouco dos outros.”

“Pascal bradou: Para quem deseja ver, haverá sempre luz suficiente; para quem rejeita ver, haverá sempre obscuridade.”

“Sófocles disse: procura e encontrarás, pois o que não é procurado permanece sempre perdido.”

“Há dois tipos de Deus. Um Deus que criou os homens, e os outros que os homens criaram.”

“No começo do séc. XX, a ciência prometeu ser o deus do Homo Sapiens. Mas ela traiu-nos, porque não desvendou quem somos; continuamos a ser um enigma, apesar do salto na tecnologia ela não resolveu os problemas humanos fundamentais. A violência, a fome, a discriminação, a intolerância e as misérias psíquicas não foram deliberadas. A ciência é um produto do ser humano e não um deus do ser humano.”

“A dúvida é a melhor arma para abrir as janelas da inteligência, e a resposta pronta é a melhor arma para as fechar.”

“As universidades têm gerado servos e não autores da sua própria história.”

“Einstein disse que “é mais fácil desintegrar um átomo do que desfazer um preconceito
“Educar é lavrar um solo ilógico.”

 
“As universidades multiplicaram-se mas a formação de pensadores não aumentou. Umas das causas é o facto do conhecimento estar separado, dividido, a formar profissionais com uma visão unifocal e não multifocal da realidade. Disse que a matemática, a física e a química deveriam unir-se à sociologia, psicologia e filosofia, a fim de construir uma ciência humanista, capaz de produzir ferramentas que modificassem o mundo.” 

“O conhecimento humanista produz ideias. As ideias produzem sonhos. Os sonhos transformam a sociedade.”

“Na realidade não deveríamos ser doutores, mas eternos aprendizes.”

 

 

 

Bibliografia

CURY, Augusto. (2010). A Saga de um pensador.

Música Electrónica

Publicado por: Milu  :  Categoria: Música Electrónica, SOCIEDADE

historia-musica-electronica (1)

“De todos os animais selvagens, o homem jovem é o mais difícil de domar.”

Platão

Breves apontamentos e noções sobre movimentos culturais aliados à música electrónica, recolhidos na obra “Culturas Juvenis e Novos Usos de Drogas em Meio Festivo”, da autoria de  M. Carmo Carvalho.

” Os anos 60 e 70 apresentaram, no contexto anglo-saxónico, picos de criatividade para o mundo do rock. Curiosamente, será também este período (sobretudo os anos 70) que assistirá à emergência de propostas dissidentes, chamemos-lhe assim, da hegemonia rock – referimo-nos, numa escolha sempre arbitrária, à forma como o disco-sound procurou integrar os primeiros recursos tecnológicos em produção musical ou à rebeldia de originalidade sem precedentes, de uma banda como Kraftwerk, que representou de forma algo visionária o que antecipou serem as consequências de uma sociedade dominada pela tecnologia, pela robótica, pela máquina. Um dos seus trabalhos de referência, o álbum Man Machine de 1978, é uma metáfora para isto mesmo que enunciámos – nele os músicos da banda surgem representados como clones de robots de aspecto andrógino, envergando fatos idênticos e batendo teclados a uma cadência mecânica e minimal” (Collin, 1997).

(…).

“Quanto a Kraftwerk sabemos ser uma banda formada em 1970, acusando uma longevidade de destaque, uma vez que se manteve activa até 1990. A sua sonoridade tão particular viria a influenciar uma grande variedade de géneros – do rap ao electro, à house, à música industrial e ao techno – tendo a sua inovação residido no facto de ter sido «a primeira banda a usar a electrónica no que esta tem de mais distante dos instrumentos tradicionais: a perfeição da repetição e os sons sintéticos» (Grynszpan, 1999, p. 10).”

“House e Techno como géneros fundadores em música electrónica de dança.”

“A música electrónica de dança define-se grandemente a partir destes dois géneros – há quase que uma filiação entre house e techno e a emergência desta sonoridade. Essa filiação não fica remetida exclusivamente à esfera musical – nestes géneros está também presente a relação com determinadas opções de lazer, como antes se encontrava uma ligação entre o disco-sound e o clube, por exemplo.”

(…).

O House impôs-se, desde o início, como uma sonoridade de interior, adequada ao contexto do clube urbano, seus actores e suas sociabilidades. Desde o início, dizemos, porque importará a sua designação a partir da discoteca de Chicago, Warehouse (Armazém), e das tendências musicais dos DJ´s que lá animavam as noites. Esta condição inicial vinculará de forma determinante o género ao espaço fixo e fechado do clube ou do pavilhão, que se assumirá como o seu contexto de eleição (Grynszpan, 1999). Apesar de ter uma vez mais beneficiado do impulsionamento proporcionado pelo considerável poder expressivo e criativo da comunidade negra norte-americana, sobretudo a de subúrbio urbano, as suas origens são, na realidade, mais europeias do que norte-americanas, já que a sua génese pode ser encontrada uma vez mais junto de bandas como Kraftwerk, Front 242 ou Tangerine Dream, incorporando a partir destas, o cruzamento das misturas em sintetizadores com as vozes femininas” (Grynszpan, 1999; Collin, 1997).

“Já o techno, «é música de dança produzida exclusivamente por instrumentos electrónicos, cujas características são a repetição regular e a predominância duma pulsação entre as 140 e 200 beats per minute (bpm) sobre a qual recaem várias sonoridades electrónicas que também se regem pelo princípio da repetição (…) – não utiliza ou utiliza muito pouco a voz cantada»” (Grynszpan, 1999, p. 8).

“De acordo com E. Racine (1999): «O techno difundido nas festas é uma música de dança. O seu ritmo fundamental é simples: quatro tempos regulares. Quatro batidas graves que se repetem e às quais se acrescentam alguns cortes a contratempo. Os sons agudos intercalam-se regularmente entre batidas. E é este conjunto que forma a trama de base da música techno»” (p. 64).”

imagem

 

Outra definição: A música techno, como a sua designação indica, é sobretudo música construída a partir de tecnologias, informáticas ou de outro tipo. Os sons são criados através de sintetizadores. São amplificados, trabalhados em computador, muitas vezes em directo. Esta música baseia-se em ritmos repetitivos, de baixos profundos. Permite ao público vibrar no seu corpo, repercutindo sensações fortes a partir das quais se poderá deixar ir” (Vanthournhout, 2001, p. 25).

“O techno é relevante para abordar a emergência do trance não só na questão musical, mas também no facto de o techno assistir à emergência de uma nova estrutura de lazer, de uma nova forma de fazer a festa – a rave – reveladora de como a associação entre um género musical e uma manifestação de lazer é, também nas expressões mais recentes das subculturas juvenis, uma constante. A rave – que é o contexto principal de difusão do género – comporta uma dimensão estética e uma mensagem ideológica, ao apelar para a «perturbação directa da ordem social» (Grynszpan, 1999).

(…).

“Da rave ao trance.”

“Em 1994/95 chegam ao nosso país os ecos do movimento rave, que mais não é ainda do que o hábito, já generalizado no Reino Unido (por exemplo, S. Readhead, M. Collin), em Espanha (por exemplo, Gamela e Roldán) e em outros países do norte da Europa, de participar em festas clandestinas de grande envergadura, ao som de música electrónica e ao ritmo de drogas de síntese. Nesses países, e sobretudo no Reino Unido, o hábito teria sido importado das longas noites de Ibiza, estância de veraneio conhecida por albergar massas de turistas britânicos, sobretudo jovens oriundos das classes operárias” (Eisner, 1994).

“O que é, então, o movimento trance? É, em primeira instância, um movimento que surgiu na sequência da decadência do movimento rave, que deixara de reunir o interesse dos seus dinamizadores e adeptos iniciais. É a alternativa e simultaneamente o produto do devir que sempre caracterizou a evolução das expressões juvenis. Marca uma nova aproximação de elites à esfera de influência cultural da música electrónica, mas agora a partir  da importação de referências hippie e new age, fixadas na Índia, cenário com que Portugal goza de vínculos históricos e culturais antigos. Os filhos das elites cultural e financeiramente diferenciadas, que puderam viajar até ao território em busca dos ecos de outros tempos, marcados pela originalidade do naturalismo e da ligação ao espiritual, trazem para o nosso país o gosto por uma nova expressão musical que mais não é do que uma variante de contornos psicadélicos do techno original. A diferença residirá na forma de fazer a festa e nas propostas existenciais que se instituem como símbolos da nova expressão.”

«Aquilo [as festas] acaba por ter aquele ambiente meio religioso, com aqueles ícones todos e os panos psicadélicos – aquilo parece um tipo de culto! Um culto que não é culto – não tem nada! As pessoas só vão para lá dançar e mandar rodas» (C., sexo feminino, 20 anos).

315830_381384085283477_1072267694_n (1)

 

Bibliografia

CARVALHO, M. Carmo. (2007). Culturas Juvenis e Novos Usos de Drogas em Meio Festivo. Campo das Letras. Porto. pp. 129-146.