Fora da caixa

Publicado por: Milu  :  Categoria: Fora da caixa, SOCIEDADE

“Ensinar não é transferir conhecimento,  mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.”

 

Paulo Freire

O excerto que a seguir transcrevo neste meu blog, da autoria de Carlos Zorrinho, no seu livro “Ordem, Caos  e Utopia” vem ao encontro do que há muito tenho vindo a defender: – tem a coragem, a nobreza, de seres tu próprio (a). Sê livre!

Se costumas ter a sensação de que não te enquadras, que não pertences por inteiro a este mundo, parabéns, estás no caminho certo, pois assim não serás apenas mais uma rês na manada.

 

Ordem, Caos e Utopia” de Carlos Zorrinho

“A Fantástica aventura do ser”

 

“Acredita nos que procuram a verdade. Duvida dos que a encontram.”

André Guide

 

“A erosão analógica da personalidade constitui uma das perversidades mais gritantes do nosso tempo. Ao mesmo tempo que a competência, a qualificação, a diversidade e a capacidade criativa dos indivíduos constituem a maior fonte de riqueza, assistimos a uma estranha tentação ou atracção das pessoas para não serem o que são mas sim cópias mais ou menos fiéis do que pensam que a sociedade quer que sejam.

Esta realidade dá um poder enorme aos que dominam a moda, as tendências, os modelos de comportamento de referência e que manipulam desta forma indirecta as vontades.

Tal como Ford dizia que os clientes do seu Ford T tinham a liberdade de escolher a cor do seu carro, desde que escolhessem a cor preta, também hoje se assiste à ilusão de uma liberdade coarctada pelos modelos de referência e condicionamento de escolha.

Ora a identidade e o carácter constituem a maior riqueza dos indivíduos. O ser diferente é a grande sinfonia da existência. Os líderes, em particular, têm por missão liderar pelo seu exemplo e pelas suas convicções profundas e não por simples emulação com aquilo que parece ser a vontade dominante.

Ser demasiado igual à média é ser mais facilmente substituível ou descartável. Ser apenas mais uma cópia dum modelo de referência é ceder a liberdade de opção e escolha a um original que se não controla. 

Um futuro melhor precisa de indivíduos mais preparados para fruir a uma fantástica aventura da existência e para serem actores de transformação dignos da forma superior de vida que representam.

Indivíduos seguros da sua individualidade e capazes em função dela, da solidariedade e da cooperação com outros indivíduos rumo a objectivos de mútuo interesse.

Indivíduos que, aceitando-se como são, se atribuem a si próprios valor, defendendo-se, assim, das tentações de evasão ou de destruição pela droga, pelo álcool ou por outros flagelos com que a realidade vai punindo os défices de auto-estima.

Estar vivo. Existir. É uma suprema dádiva e uma oportunidade fantástica de aventura e realização. Carpe diem.”

 

Bibliografia

ZORRINHO, Carlos. (2001). Ordem, Caos e Utopia. Editorial Presença. Lisboa. pp.91-92.

 

Ser indefinido

Publicado por: Milu  :  Categoria: Ser indefinido, SOCIOLOGIA DA FAMÍLIA

 

“Cada um de nós faria mais coisas, se as julgasse menos impossíveis.”

 François La Rochefoucauld

 

Alguns dos que vierem a ler este post, pensarão que o que nele está inscrito já são águas passadas, que a sociedade evoluiu e que actualmente já nada é assim, etc, etc. E têm razão. Felizmente. Muitos casais já não se casam e alguns nem sequer querem que a sua relação seja reconhecida como correspondendo à figura da união de facto. Querem sentir-se com um pé dentro e outro pronto a  saltar fora, quando a coisa perder a graça.

Contudo, a mim, constatar que muitas mudanças foram operadas não me basta. Acima de tudo interessa-me perceber os mecanismos que regulam a sociedade e como foi possível ao longo dos séculos oprimir tanto as mulheres, estas que, mais coisa menos coisa, representam metade da humanidade. É o meu gosto pela sociologia que aqui se manifesta. Abençoado o momento em que eu percebi o que é, e para o que serve, esta ciência da Sociologia!… Tantas respostas para as minhas perguntas eu logrei descortinar através da Sociologia…e tanto mais esta conquista se me tornou importante, quanto mais certo é que, o que mais poderemos fazer é perguntas…

Recordo-me que, já na minha adolescência, eu reparava que a vida das mulheres casadas não era coisa que se desejasse. Apercebi-me, pelo que via, que a vida da mulher tinha vários estados. Ou seja, aprendi a julgar, a formar opinião, através daquilo que observava. E o que observava na vida das mulheres da minha condição, que não eram ricas, que tinham de trabalhar para ajudar no sustento da casa, não era propriamente um cenário risonho, algo que eu desejasse para mim. De maneira que, quando comecei a ver as raparigas da minha idade, que me eram próximas, a desejar o casamento e a concretizá-lo, no lugar de querer  seguir-lhes o exemplo, de escolher o mesmo destino, pelo contrário, eu repudiava tal coisa! Para mim, pelo que observava da realidade que me era dada ver, o casamento era um altar do máximo sacrifício! Vade retro Satanás!

Como se pode desejar, afinal, uma vida em que a pessoa deixa praticamente de ter tempo para ela? E, mais importante ainda, deixa de ser ela, e passa a ser uma entidade, uma figura, cujo comportamento está previamente e minuciosamente definido, talhado, decidido?  Mas era assim naquele tempo com a vasta maioria das mulheres… Hoje, que sou uma mulher esclarecida, instruída, informada, sinto um desmedido orgulho por já naquela altura, tão novinha, ter tido a coragem de ser diferente, de renegar o que à partida seria o meu destino… Diferença que, afinal, me adveio das minhas muitas leituras que empreendi desde tenra idade. Quem lê torna o seu mundo mais vasto, mais diversificado, é por isso mesmo capaz de ver para além da realidade circundante. É imperioso que retiremos as palas dos olhos, que nos agrilhoam, que tolhem a nossa liberdade e criatividade.

Seja o que você quiser, viva de acordo com as suas aspirações, de acordo com as suas tendências e gostos, sinta-se bem. Tenha a coragem de lutar por si. De mudar radicalmente, se for esse o caso. Não se preocupe com o que os outros disserem quando estranharem a sua nova postura: lembre-se que “os cães ladram e a caravana passa”. Case, se for esse o seu desejo, mas nunca se deixe sobrecarregar, não enverede por uma vida de escravatura encapotada. Esforce-se por conquistar e manter a sua independência económica, pois só assim terá margem de manobra para poder jogar o jogo da vida. Independência em qualquer circunstância , será sempre a  tónica defendida neste blog.

Atentemos ao que nos diz  Nathalie Heinich, socióloga, diretora de pesquisa no CNRS (Centre National de la Recherche Scientifique); membro do CRAL (Centre de recherches sur les arts et le langage da École des Hautes Études en Sciences Sociales, Paris) e membro associada do LAHIC (Laboratoire d’anthropologie et d’histoire sur l’institution de la culture: CNRS, Ministère de la Culture, EHESS), na sua obra “Estados da Mulher”, e vejamos o quanto a sociedade oprime os indivíduos, particularmente as mulheres:

 

“ESTADOS DA MULHER”

“Porque razão a sociedade toma por lei sagrada o sacrifício da Mulher à Família?», interrogava-se Renée. Longe de ser acidental ou de se ver a funestas contingências, este sacrifício parece constitutivo do casamento na sua própria essência:

é a Mulher contra a Família, ou Germaine de Staël contra Bonald – esse desprezador do materialismo, do ateísmo e da democracia -, que os pais bem intencionados faziam ler às suas filhas à saída do convento:

«Enquanto tu lias Corina, eu lia Bonald, e eis todo o segredo da minha filosofia: tive uma aparição da Família santa e forte.»

De um lado, portanto, a mulher como pessoa a todos os títulos, dotada de uma personalidade autónoma e de aspirações específicas;

do outro, a mulher como esposa, elo indispensável de uma comunidade familiar, mas substituível nas suas funções, tendo por nome apenas o do seu marido, apenas os interesses da sua linhagem, existindo apenas pelo lugar que lhe está atribuído numa configuração que a precede e que lhe sobreviverá – aquela, temporal, de uma genealogia, e aquela, espacial, de uma casa.

Eis aqui toda a ambiguidade do estatuto da primeira enquanto membro e representante dessa família «santa e forte»: soberana no seu lugar, inteiramente submetida à ordem matrimonial que lho outorga. «Casada, deixa de ser dona de si própria, é rainha e escrava do lar», escrevia Balzac em “A Mulher de Trinta Anos” (1832)” (Heinich, 1998:121).

“A esposa, nos meios privilegiados onde, segundo Veblen, o lazer é uma medida de fortuna, tem por função ser um porta-bandeira do marido e da família no seu conjunto. Sinal exterior de riqueza, consumidora ostentatória de dinheiro, de tempo e de lazer, ela tem tanto o encargo como o privilégio de ser uma montra de jóias, peles, fortuna, relações, lazer e mesmo cultura, quando reina nesses salões mundanos (…)” (Heinich, 1998:121).

“Que seja vivida como uma redução a interesses exteriores à pessoa, ou como engrandecimento por associação a uma comunidade mais poderosa que o indivíduo isolado, a entrada numa família pela instituição do casamento é portadora de uma ambivalência fundamental. Uma vez que, por um lado, a esposa tem vantagem em não ficar sozinha: tal como o seu nascimento, o seu casamento inscreve-a numa linhagem, numa família, associando o seu destino a interesses colectivos.

Mas terá de o pagar com a dependência em relação ao seu marido e, por vezes, aos seus parentes bem como, mais tarde, aos seus filhos, entraves à autonomia. Esta dependência pode ser esperada e mesmo desejada (…), mas pode também ser vivida como um fardo, recusada e rejeitada como uma alienação, como atentado identitário que reduz a pessoa a um indivíduo substituível, definido como membro de um colectivo familiar em relação ao qual ela se sente intimamente estranha, mesmo que não se sinta por ele excluída” (Heinich, 1998:122).

“Esta ambivalência está tão profundamente inscrita que se encontra no próprio coração da língua, na conotação contraditória associada a «laço» ou «nó», que tanto amarra como liga, ou no «apego», que tanto entrava como permite a afeição; ou o adjectivo «isolada» que tanto remete para solitária como para protegida“(Heinich, 1998:122).

(…).

“A esse sinal exterior de riqueza que pode representar o casamento, opõe-se a interioridade da vida pessoal, na qual a mulher deixa de ser definida pela pertença a uma «outra» comunidade – que portanto a «aliena» no significado primeiro do termo -, mas é definida por certas propriedades que lhe são específicas, fazendo dela um ser autónomo, insubstituível: uma pessoa a todos os títulos. O casamento levanta, por definição, obstáculos a este estatuto: «Antes eu era uma pessoa, e agora sou uma coisa!» queixa-se Renée após as suas núpcias.

Louise, pelo contrário, vangloria-se da assunção do seu «eu», ou seja da sua identidade pessoal, que procurou manter inteira num casamento [que contrariamente aos costumes e ditames da sociedade da época] não foi de conveniência, sujeito ao interesse familiar, mas de amor, quer dizer de escolha individual:

«Este triunfo inebria o orgulho, a vaidade, o amor próprio, enfim, todos os sentimentos do eu.» (Heinich, 1998:123).

 

Bibliografia

HEINICH, Nathalie. (1998). Estados da Mulher. A identidade feminina na ficção ocidental. Editorial Estampa. Lisboa. pp. 121-123.

Mentes generosas

Publicado por: Milu  :  Categoria: Mentes generosas, PARA PENSAR

 

“Vamos-nos lembrar, o quanto pudermos, de que cada pensamento desagradável é uma coisa ruim literalmente colocada no corpo.”

Prentice Mulford

 

“Quando procuramos resolver um problema qualquer na nossa vida, qualquer que seja, é necessário levar em linha de conta vários aspectos importantes. (…) De uma maneira geral, as pessoas acreditam que os problemas se resolvem através da modificação das circunstâncias, ou de um laborioso processo de pensamento. Mas existe outra opção: solucionar os problemas com base nalguns conceitos que ultrapassam o problema, em particular, e se aplicam a todos os problemas em geral.

Consideremos, por um momento, a noção de que uma das melhores maneiras de resolver os nossos problemas consiste em «modificar as nossas circunstâncias». É evidente, que, na vida, todos temos momentos em que as circunstâncias estão longe de ser as ideais. Mas também é correcto que a percepção que temos das nossas circunstâncias se modifica na relação directa com o nosso estado de espírito e o nível  das nossas emoções.

Compreendemos as nossas circunstâncias em função da maneira como nos sentimos.

Quando o nosso estado de espírito está num nível baixo, por exemplo, até podemos ver o nosso casamento como uma porcaria ou um peso. Mas, quando o nosso nível anímico sobe e estamos a ter sentimentos positivos, o nosso casamento parece-nos uma relação excelente.

Com um estado de espírito em baixo, o trabalho pode parecer-nos estupidificante e até insignificante; enquanto que num estado de espírito diferente, o mesmo trabalho parece-nos uma forma satisfatória e honrada de ganharmos a vida.

Em ambos os casos (como em muitos outros) as nossas circunstâncias não se alteraram em nada; o que mudou foi o nível do nosso estado de espírito, do nosso estado emocional.

Quando começamos a ver a relação que existe entre os nossos problemas e o estado de ânimo em que nos encontramos, compreendemos que a resposta aos nossos problemas não se encontra, necessariamente, numa mudança de circunstâncias. Ao melhorar o nosso nível anímico e emocional, não só compreendemos a mesma circunstância sob um ponto de vista completamente diferente, como encontramos respostas para os problemas, que não conseguimos encontrar quando estamos com o ânimo em baixo.

Nos nossos piores momentos emocionais, teremos sempre tendência para ver problemas e procurar a sua causa. Isto não nos irá surpreender quando percebermos a influência dos diferentes estados de espírito sobre a nossa percepção. Então, compreenderemos que, quando o nosso nível anímico estiver baixo, será perfeitamente normal ver problemas em tudo; mas também saberemos esperar até nos sentirmos melhor, em vez de prestar atenção e confiar nas nossas emoções. Assim que nos sentirmos melhor, veremos as nossas circunstâncias sob uma óptica bem diferente, e encontraremos novas e refrescantes respostas.

(…)

É muitíssimo mais fácil e prático esperar que o nosso estado de espírito mude do que esperar que as nossas circunstâncias se modifiquem. Assim, o lógico consiste em adiar a solução dos nossos problemas até que nos sintamos bem.

Quando estamos emocionalmente bem, até nos apercebemos de que as alterações dos nossos estados de espírito têm contribuído sempre para nos dificultar a comunicação. 

Só necessitamos de recordar as inúmeras vezes que as nossas circunstâncias mudaram para nos darmos conta, depois de que a mudança em si mesma não é a chave da felicidade ou da solução dos problemas. Se o fosse, já todos seríamos felizes e estaríamos livres de problemas.

Mas não é assim.

Todos vivemos circunstâncias que representaram alguma melhoria: obtivemos diplomas, trabalhos, reconhecimento, promoções, prémios e outras honras que pensámos que nos iam fazer felizes. Mas pouco depois de os obter, a felicidade voltou a escapar-se-nos e começámos de novo a procurar outras maneiras de alterar as nossas circunstâncias e de melhorar a nossa vida.

A maneira de sair desta armadilha psicológica consiste em compreender que os problemas têm origem mais na maneira como nos sentimos do que nas nossas circunstâncias. No momento em que deixarmos de procurar modificar as nossas circunstâncias, e nos concentrarmos em elevar o nível do nosso estado de espírito, os nossos problemas começam a esfumar-se. 

As pessoas que vivem felizes encontram respostas que nunca lhes ocorreram quando estavam animicamente mal. Estas pessoas são capazes de enfrentar qualquer desafio, pois não desperdiçam energia a tentar resolver problemas com estados de espírito que não permitem esperar soluções viáveis. 

Quando deixamos a mente liberta de preocupações, as respostas aparecem de uma maneira que nunca pensámos ser possível. A sabedoria consiste em ver as mesmas coisas de maneira diferente, de uma maneira nova e criativa.”

 

Biografia

 

CARLSON,Richard. (2000). Sim, podes ser feliz. Editora Pergaminho. Cascais. pp. 127-131.