Ciência Versus Pseudociência

Publicado por: Milu  :  Categoria: Ciência Versus Pseudo..., PARA PENSAR

cepticismo-1-638

“É moralmente tão mau não nos preocuparmos em saber se uma coisa é verdadeira ou não, desde que nos faça sentir bem, como não querermos saber como arranjamos o dinheiro, desde que o arranjemos.”

Edmund Way Teale

Apontamentos retirados do livro “Um Mundo Infestado de Demónios” da autoria de Carl Sagan, no qual se esforça para nos fazer entender qual a diferença entre a Ciência e a Pseudociência, e nos aconselha a cultivar uma atitude de cepticismo, perante tudo aquilo que não foi submetido a um rigoroso exame com métodos científicos.

“A luz da vela é trémula. A pequena mancha luminosa que projecta vacila. A escuridão adensa-se. Os demónios começam a agitar-se.”

“Alguns livros – Legends of the Earth [Lendas da Terra], de Dorothy Vitaliano, por exemplo – interpretam as lendas da Atlântida originária em termos de uma pequena ilha no Mediterrâneo que foi destruída por uma erupção vulcânica, ou de uma antiga cidade que deslizou para o Golfo do Corinto depois de um terramoto.Talvez, isto, tanto quanto sabemos, seja a origem de uma lenda, mas está muito longe da destruição de um continente no qual se desenvolvera uma civilização técnica e mística excepcionalmente avançada.”

“O que quase nunca encontramos – nas bibliotecas públicas, nos quiosques de revistas ou nos programas da hora nobre da televisão – são provas convenientes do alastramento dos fundos oceânicos e da tectónica de placas, e de mapas do fundo do oceano que mostrem sem sombra de erro que não poderia ter havido nenhum continente entre a Europa e as Américas que se aproximasse da escala de tempo que nos é proposta.”

“O que há mais são relatos pouco fiáveis que servem de engodo aos crédulos. As abordagens cépticas são muito mais difíceis de encontrar, pois o cepticismo não se vende bem. É centenas ou milhares de vezes mais provável que a uma pessoa inteligente e curiosa, que confie inteiramente na cultura popular para obter informações sobre uma coisa como a Atlântida, se depare uma fábula tratada de um modo acrítico do que um estudo sério e equilibrado.”

(…)

“A ciência desperta uma sensação de exaltação e de deslumbramento. Mas a pseudociência também. As divulgações científicas escassas e de baixa qualidade abandonam nichos ecológicos que a pseudociência se apressa a preencher. Se muita gente percebesse que os pretensos conhecimentos exigem provas adequadas antes de poderem ser aceites, não haveria espaço para a pseudociência. Mas na cultura popular prevalece uma espécie de lei de Gresham, segundo a qual a má ciência afasta a boa ciência.”

(…)

“A pseudociência é mais fácil de forjar do que a ciência, pois os confrontos com a realidade – quando não podemos controlar o desfecho da comparação – são mais fáceis de evitar. Os padrões da argumentação, que passam por provas, são muito menos rígidos. Em parte pelas mesmas razões, é muito mais fácil apresentar a pseudociência ao público comum do que a ciência. Mas isto não basta para explicar a sua popularidade.”

“É natural que as pessoas experimentem vários sistemas de crença para verem o que mais convém para as ajudar. E, se estivermos muito desesperados, dispomos-nos a abandonar o que pode ser considerado o fardo pesado do cepticismo. A pseudociência dirige-se a necessidades emocionais fortíssimas que a ciência muitas vezes deixa sem resposta.”

(…)

“Poder-se-ia afirmar que as adesões à pseudociência são directamente proporcionais à incompreensão da verdadeira ciência. Mas, se uma pessoa nunca ouviu falar de ciência (para já não referir o modo como ela funciona), é difícil aperceber-se de que está a aderir à pseudociência. Está simplesmente a pensar de uma das maneiras que os seres humanos sempre pensaram. As religiões são muitas vezes os berços da pseudociência protegidos pelo Estado, embora não haja razão para as religiões terem de desempenhar esse papel.”

“Não só nos lares camponeses, mas também nos arranha-céus das cidades, coabitam o século XX e o século XIII. 100 milhões de pessoas utilizam a electricidade e ainda acreditam nos poderes mágicos dos signos e nos exorcismos… As estrelas de cinema vão a médiuns. Os aviadores que pilotam máquinas maravilhosas criadas pelo génio do homem usam amuletos nas camisolas. Que reservas inesgotáveis possuem eles de trevas, ignorância e selvajaria!”

Leão Trostski

(…)

“A pseudociência difere da ciência errónea. A ciência alimenta-se de erros, que vai eliminando um por um. Tira a todo o tempo falsas conclusões, mas tira-as provisoriamente. Formula hipóteses para poder refutá-las. Submete uma sucessão de hipóteses alternativas à experiência e à observação. A ciência avança às apalpadelas e em passos hesitantes em direção a um conhecimento mais perfeito. É claro que há sentimentos de propriedade feridos quando se refuta uma hipótese científica, mas essa refutação é considerada fundamental para o progresso científico.”

“A pseudociência é precisamente o oposto. As hipóteses são muitas vezes formuladas com exactidão para serem invulneráveis perante qualquer experimentação susceptível de as refutar, pelo que, mesmo em princípio, não pode ser invalidada. Os seus praticantes jogam à defesa e são cautelosos. A análise céptica confronta-se com barreiras.”

(…)

“Talvez a distinção mais nítida entre ciência e pseudociência resida no facto de a primeira ser muito mais severa na apreciação das imperfeições e da falibilidade humanas do que a pseudociência (ou revelação «infalível»). Se recusarmos com firmeza reconhecer onde somos susceptíveis de errar, poderemos estar certos de que o erro – até mesmo os erros graves, profundos – serão nossos companheiros para sempre. Mas, se tivermos a coragem de nos auto-avaliarmos, por muito tristes que sejam as reflexões que isto possa suscitar, as nossas hipóteses melhoram muito.”

(…)

“Um dos grandes mandamentos da ciência é «Desconfia das afirmações das sumidades». (os cientistas, como primatas que são, e, por conseguinte, propensos a hierarquias de domínio, claro que nem sempre seguem este mandamento). Muitas destas afirmações revelaram-se tristemente erradas. As sumidades têm de provar as suas asserções como outra pessoa qualquer. Esta independência da ciência, a sua incapacidade ocasional de aceitar a sabedoria convencional, torna-a perigosa para doutrinas menos autocríticas, ou com pretensões de estarem certas.”

Uma vez que a ciência nos transporta em direcção a uma compreensão de como é o mundo, e não de como desejaríamos que ele fosse, as suas descobertas podem não ser imediatamente compreensíveis ou satisfatórias em todos os casos. Pode ser preciso um pouco de trabalho para reformular a nossa estrutura mental. Alguma ciência é muito simples. Quando se torna complicada, isso deve-se, em geral, ao facto do mundo ser complicado – ou a nós sermos complicados. Quando nos afastamos dela por nos parecer demasiado difícil (ou por termos recebido ensinamentos demasiado deficientes), desistimos da capacidade de tomar o nosso futuro em mãos. Abdicamos dos nossos direitos e a nossa autoconfiança esboroa-se.”

Conclusão

Se se quer saber quando será o próximo eclipse do Sol, podem consultar-se mágicos ou místicos, mas conseguir-se-ão muito melhores resultados com cientistas. Estes dir-nos-ão onde uma pessoa se deve pôr na Terra, quando se tem de estar lá e se vai ser um eclipse parcial, um eclipse total ou um eclipse anelar – Podem prever um eclipse solar, com uma precisão até ao minuto, com uma antecedência de um milénio, como um exercício de rotina. Pode ir-se ao feiticeiro para quebrar o encanto que provoca uma anemia perniciosa, ou pode tomar-se vitamina B12. Se uma pessoa quiser impedir que os filhos tenham poliomielite, pode rezar ou pode vaciná-los. Se se está interessado em saber o sexo de um filho que ainda não nasceu, pode consultar-se alguém que use um pêndulo (esquerda-direita), rapaz; para trás-para a frente, rapariga – ou talvez seja ao contrário), mas esta só acerta, em média, uma vez em duas. Se se quer exactidão (ou seja, uma precisão de 99%), pode tentar-se a amniocentese ou a ecografia. OPTE PELA CIÊNCIA.

Bibliografia

SAGAN,Carl. (1998). Um Mundo Infestado de Demónios. Gradiva. Lisboa. pp. 19-47.

2 Comentarios to “Ciência Versus Pseudociência”

  1. lino Diz:

    O que não falta são vendedores da banha da cobra nas nossas televisões e jornais!
    Benjinho

  2. Milu Diz:

    Olá Lino 🙂

    Um beijinho

Adicionar Comentario