As três mentiras…

Publicado por: Milu  :  Categoria: As três mentiras..., CORRENTES

faces

Pronta para dar continuidade  ao desafio que me foi proposto pela Donagata, eis-me aqui mais uma vez, desta feita disposta a pregar  três descaradas  petas aos meus estimados visitantes! Mandam as regras da presente corrente que revele 9 coisas comigo relacionadas, 6 verdades e 3 mentiras! Nada mais fácil! Como sou brincalhona, não estive com meias medidas e vá de agarrar  com unhas e dentes esta oportunidade para tentar fazer algo engraçado. Bem, pelo menos a intenção foi essa. Vamos pois a isso!

elo

♣ – Adoro cinema.

♣ – Há uns anos tive um prémio no joker. Quando vi que tinha os últimos 5 números e, portanto, um prémio de 500 contos fiquei cheia de raiva!

♣ – Em cerca de 28 anos de condução  nunca mudei um pneu furado. Que remédio tem o desgraçado do carro senão ir  mesmo assim  até à próxima localidade! Ou então fico ali parada, à espera de uma santa vinda.

♣ – Sempre que vou à praia farto-me de nadar no mar.

♣ –  Não gosto e por isso nunca uso perfumes.

♣ – Lembro-me do nascimento do meu irmão mais novo, tinha eu 4 anos. Deu-me para fazer  uma birra encarniçada e ainda me lembro do porquê.

♣ – De vez em quando dá-me na cachimónia e ando uma série de dias, (muitos) a comer a mesma coisa, isto é, sem variar.

♣ – No meu exame de condução ao fazer marcha atrás fi-la tão torta, que consegui atravessar o carro na estrada. Passei à primeira.

♣ – Numa manhã de praia estive acompanhada por dois enormes sardões, que por ali andaram de roda de mim numa boa.

elo

Pronto, já está!  Como já foi indiciado três destas afirmações são falsas! Quais serão? No caso de haver alguém que  por graça, queira arriscar neste totoloto, poderá fazer a sua aposta na caixa dos comentários. De qualquer maneira nos próximos dias revelarei onde reside a trapaça!

Quanto aos próximos continuadores da corrente, peço imensa desculpa à Donagata, que foi quem me desafiou, mas isso “já foi chão que deu uvas”. Considero esta parte ingrata,  porque nem todos gostam de participar em correntes. Sempre que seja desafiada estarei na disposição de participar, porém, as correntes não sairão daqui, a partir de agora ficam em casa.

verdade-mentira

Tempo…

Publicado por: Milu  :  Categoria: CORRENTES, Tempo...

tempo

A minha amiga donagata lançou-me o repto para dar  continuidade a  uma  corrente de poesia. Tenho reparado que nem todos os blogueres apreciam este tipo de iniciativas e as correntes por aí andam estraçalhadas,  com os elos ao Deus dará, no entanto, pela parte que me toca até gosto de alinhar. Primeiro porque em nada me estorva, depois porque é, ao cabo e ao resto,  mais  uma oportunidade para fazer o gosto ao dedo –  escrever além de  outra coisa que lhe está subsequente – comunicar! Portanto, mãos à obra! Decidi insistir no mesmo tema – o Tempo. À medida que se avança nos anos, o tempo ganha outra dimensão, temos mais consciência de quanto são fugazes alguns momentos! Quando era miúda não via jeitos de crescer, um ano, apenas um ano, parecia uma eternidade!…  Queria tanto deixar de ser criança! Queria tanto ser gente crescida, para ser levada a sério! Para fazer  parte daquele mundo  onde os adultos são soberanos… Ora vou-me deixar de conversas e vá de ir ao que interessa…

barra

Tempo

Tempo — definição da angústia.
Pudesse ao menos eu agrilhoar-te
Ao coração pulsátil dum poema!
Era o devir eterno em harmonia.
Mas foges das vogais, como a frescura
Da tinta com que escrevo.
Fica apenas a tua negra sombra:
— O passado,
Amargura maior, fotografada.

Tempo…
E não haver nada,
Ninguém,
Uma alma penada
Que estrangule a ampulheta duma vez!

Que realize o crime e a perfeição
De cortar aquele fio movediço
De areia
Que nenhum tecelão
É capaz de tecer na sua teia!

Miguel Torga, in “Cântico do Homem”

E os blogs por mim seleccionados para a continuação desta bela e inspiradora corrente são!

Dispersamente

F-se

Macroscopio

O Burriqueiro

Oficina das ideias

Caixa de pregos

tempo


o olhar dos outros…

Publicado por: Milu  :  Categoria: CORRENTES, O olhar dos outros...

olhar

Ora bem! Em resposta ao desafio  que foi dirigido pelo blog Direito de Opinião ao meu modesto cantinho, ínfima gota  no imenso mar do oceano da blogosfera, eis-me aqui, prazenteira e de boa vontade, para dar prosseguimento à corrente, que sabe lá Deus, quantas voltas  já deu ao mundo! Basta citar o trecho correspondente à 5ª frase da página nº 161 do livro que tiverem em mãos.
Sendo assim, decidi optar pelo livro que ultimamente ando a ler. Ora aí vai!


– “Acho que o olhar dos outros é uma arma mortífera.”
Total khéops – Jean-Claude Izzo

Vá lá, vá lá, não é uma frase que se despreze! Claro, não tem a pujança da citação do meu “mandatário”, mas foi o melhor que se pôde arranjar, mormente as circunstâncias!

E porque vou ter de indicar outros blogs, para a continuação desta corrente, vou enumerar alguns. Não pretendo  ser indelicada, mas, os distintos cavalheiros, que tenham paciência, primeiro estão as senhoras!

a alma da flor
a pomba livre
Ponto de Cruz
congeminações
O azereiro